PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Smartphone do ET? Sinais de rádio misteriosos chegam de galáxias distantes

Thiago Signorini Gonçalves

15/02/2020 04h00

VLA, um dos radiotelescópios que astrônomos usam para estudar os céus (NRAO)

Imaginem só. Você está observando as estrelas de noite, e de repente uma luz forte começa a piscar rapidamente. O fenômeno pode durar várias horas. E depois desaparece para sempre. O que você acha? Era um alienígena visitando a Terra?

Talvez tenha sido isso que Duncan Lorimer e David Narkevic pensaram quando descobriram o primeiro "Fast Radio Burst" (algo como "Rajada Rápida de Rádio" ou FRB na sigla em inglês), em 2007. A diferença é que não eram flashes de luz, mas sim ondas de rádio. E podem ser muito fortes em sua origem, mas como estão muito distantes vemos uma quantidade de energia mil vezes menor que um celular na superfície da Lua.

Ainda assim, é um mistério que continua até os dias de hoje na astronomia. Desde então, cientistas tentam descobrir a origem dessas rajadas, que podem ser causadas por buracos negros, supernovas, estrelas de nêutrons ou algum outro objeto astronômico compacto.

O grande problema sempre foi observar o fenômeno. A maioria dos FRBs acontecia uma vez e desaparecia mais tarde; apenas dois deles voltaram a brilhar, e ainda assim de forma irregular e inesperada.

Agora, uma nova descoberta pode ajudar a resolver o mistério. A colaboração canadense CHIME anunciou a primeira observação de um FRB que se repete periodicamente, a cada 16 dias, localizado em uma galáxia a cerca de 500 milhões de anos-luz de distância.

A origem do fenômeno ainda é desconhecida. Por ser periódico, deve ter alguma relação com órbitas ou algo astronômico que se repita. Ainda assim, essa nova descoberta fornece uma oportunidade inédita: agora sabemos para onde olhar e quando, o que nos permite apontar os telescópios para o lugar certo e na hora certa.

Se enxergarmos algum ET dando tchauzinho, prometo publicar aqui no blog primeiro.

Sobre o blog

O assunto aqui é Astronomia, num papo que vai além dos resultados. Conversamos sobre o dia-a-dia dos astrônomos, como as descobertas são feitas e a importância da astronomia nacional — afinal, é preciso sempre lembrar que existe pesquisa científica de qualidade no Brasil!

Sobre o autor

Thiago Signorini Gonçalves é doutor em Astrofísica pelo Instituto de Tecnologia da Califórnia. Atua como professor de Astrofísica no Observatório do Valongo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e é coordenador de comunicação da Sociedade Astronômica Brasileira. Utilizando os maiores telescópios da Terra e do espaço, estuda a formação e evolução de galáxias, desde o Big Bang até os dias atuais. Apaixonado por ciência, tenta levar os encantos do Universo ao público por meio de atividades de divulgação científica.

Espaço-Tempo